Atualizado 14/01/2019

Programa aperfeiçoa gestão de propriedades rurais

Melhoria da renda e no ambiente de trabalho, investimento em tecnologia, organização da atividade, análise de indicadores e planejamento estratégico da gestão com foco na sucessão familiar foram alguns dos resultados da empresa rural de Valdir e Marlene Mai, de Pinhalzinho, após participação no Programa Gestão da Qualidade – QT Rural. A iniciativa integra Projeto Encadeamento Produtivo: Cooperativa Aurora Alimentos – SEBRAE/SC: Suínos, Aves e Leite, realizado em parceria com cooperativas e entidades.

 

Situada em uma área de 13,2 hectares, a propriedade desenvolve como principal atividade a bovinocultura de leite com um total de 82 animais.  A produção mensal gira em torno de 36.353 litros, com uma média de 25,93 litros por vaca/dia. A empresa conta com instalações modernas e funcionais, em sistema de semi-confinamento das vacas. As lactantes passam um período do dia confinadas para alimentação e outra parte do dia na área de descanso com acesso à água. Este sistema permite o controle da alimentação das vacas.

 

Valdir e Marlene têm dois filhos: Teilon (24 anos) e Eduarda (13 anos) e a sucessão familiar da propriedade é seguida por Teilon. A empresa rural vem melhorando sua estrutura nos últimos anos. Em 2014 foi construída a sala de ordenha com fosso e, em agosto de 2018, durante o desenvolvimento do QT Rural foi adquirida a ordenha canalizada com medidor digital da produção individual das vacas. A propriedade também possui Certificado de estabelecimento de criação livre de brucelose e tuberculose. Os pais de Teilon já haviam participado do Programa QT Rural no início de 2000 e, cientes da importância, incentivaram o sucessor a participar, oferecendo suporte e apoio.

 

A análise e solução de problemas oportunizou avaliar o alto custo de produção de leite que estava em 85% no início do QT Rural e foi reduzido para 56%. A produção mensal aumentou em 11.893 litros, a produtividade por vaca subiu de 23,86 para 27,97 litros/vaca/dia, representando um incremento de 4,11 litros/vaca/dia. “Houve redução de custo significativa em função do controle leiteiro e em razão da substituição de farelo de soja por uma fonte concentrada de proteína de liberação controlada. A ordenha canalizada também refletiu em redução de custos de mão de obra, demandando menor tempo para executar as ordenhas”, observa a consultora credenciada ao Sebrae/SC, Karla Szymanski.

 

Segundo Teilon, a família começou a fazer controle leiteiro e planejamento alimentar das vacas no que se refere ao fornecimento de ração. A receita bruta aumentou em R$ 25.422,03. A família fez uma reciclagem do Programa De Olho na Qualidade e, dessa forma, resgatou o processo de descarte, organizou os ambientes e renovou a central do lixo reciclável, destinando 100% do lixo de forma adequada.

 

A qualidade do leite já era considerada muito boa antes das intervenções relacionadas ao QT. A Contagem de Células Somáticas (CCS) estava em 62 no mês de abril, a contagem de bactérias apresentava somente 4, gordura 3,35 e proteína 3,05. Em setembro a CCS aumentou para 117, provavelmente devido ao estresse de adaptação das vacas à nova instalação de ordenha, mas a CBT (CPP) se manteve ótima (3). A gordura aumentou para 3,58 e proteína subiu para 3,17.

 

Valdir e Marlene ressaltam que o QT auxiliou muito na participação do filho potencial sucessor para fazer a gestão que passou a enxergar a propriedade no geral. “Os resultados nos animaram muito. Vimos que vale a pena todo o esforço e trabalho, pois é para nossa evolução. Valeu a pena afiar o machado! ”, completou Valdir.

 

Para Teilon, a participação no programa trouxe resultados expressivos! “A cada encontro tínhamos uma expectativa, evolução e aprendizados. No início achamos difícil controlar os indicadores, mas com persistência e com ajuda da Dona Marlene que já fazia alguns controles no papel, conseguimos desenvolver os trabalhos. O resgate do Programa De Olho também foi importante, pois agora ganhamos tempo, sabemos onde estão as coisas, estávamos precisando reciclar”, finalizou o sucessor.

 

Parceiros do Encadeamento Produtivo

 

O Projeto Encadeamento Produtivo: Cooperativa Aurora Alimentos – SEBRAE/SC: Suínos, Aves e Leite é desenvolvido em Santa Catarina com as parcerias do Senar/SC, Sescoop/SC, Sicoob, Fundação Aury Luiz Bodanese, Cooperalfa, Itaipu, Auriverde, Coolacer, Copérdia, Caslo, Cooper A1, Coopervil e Cooper Campos. No Rio Grande do Sul, conta com a parceria da Alfa, A1 e Copérdia e os parceiros do SICREDI/RS. No Paraná, podem participar as cooperativas Alfa, Copérdia, Camisc, Cocari e, no Mato Grosso do Sul, Coasgo e Alfa. No Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul, o programa também ocorre por meio das parcerias dos Estados e sob a coordenação das unidades federativas do Sistema Sebrae.

Fonte: Fecoagro
© Copyright 2017 - Rede Nossa Rádio, Todos os direitos reservados Desenvolvido por HZ Soluções